fevereiro 2, 2017

Maria

Eu estou no Brasil há cinco anos; vim para ter uma vida melhor. Na Bolívia, eu e meu marido morávamos na cidade de Oruro onde buscamos trabalho, mas não havia o que fazer. Então buscamos uma vida melhor para os nossos filhos, pois não havia muitas oportunidades para que eu pudesse estudar ou trabalhar. Eu saí do colégio e já vim para cá sozinha com minha filha, que era pequena. Meu marido veio depois e moramos juntos agora. Chegar a São Paulo foi muito diferente. Tudo mudou, e nós não entendíamos a língua. Às vezes, quando íamos fazer nossa documentação, a única resposta era um curto e grosso: “não”. Eu sentia muita discriminação. Por causa da língua as pessoas diziam: “Ah, boliviana? Deixa para lá! Espera um pouco”, deixando-nos desacompanhados. Às vezes brigávamos. Agora que eu entendo mais a língua portuguesa está mais fácil. Quando a gente não entende a língua, ficamos em situação de desvantagem. Eles falam: “Ah, você está no Brasil, tem que falar português!”. E a gente aprendeu.

Agora eu desenho roupas. Eu fiz este vestido que estou usando para a Competição de Poesia. Hoje eu costuro, mas a qualidade de vida caiu. Quando eu cheguei estava bom, e agora que eu abri minha oficina, não está bem. Os custos das coisas estão subindo mais – a comida, a cesta básica, etc. – e o nosso trabalho e nosso salario está o mesmo. Não sobe nada. Às vezes os preços das coisas que produzimos estão baixando também. Na apresentação da minha poesia, eu falei que queria paz, justiça, liberdade e trabalho. Este é o primeiro ano que me apresento, e eu estava um pouco nervosa. As correntes nos meus braços são da escravidão. Estava falando de mim e de todos, porque nós queremos liberdade, paz, justiça e trabalho.

Olha. Eu quero ficar mais tempo no Brasil por minha filha, porque ela é brasileira. Ela gosta daqui. Eu me acostumei com o Brasil, e eu estou com minha família. Não sinto falta da Bolívia. Eu só quero paz, justiça, liberdade e trabalho, só isso. Aí, depois, vai estar tudo bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *